O que é EDI?2024-05-14T12:34:16+00:00

Milhares de anos atrás, a invenção da roda mudou tudo ao nosso redor. Do transporte ao comércio, a roda moldou a aparência do mundo agora. O mesmo vale para o Electronic Data Interchange, ou EDI, como é comumente chamado.

A tecnologia foi introduzida pela primeira vez na década de 1960, quando Ed Guilbert, do Exército dos EUA, teve que lançar 2.3 milhões de toneladas de mercadorias em Berlim Ocidental e queria um sistema para rastrear essas mercadorias. Demorou mais 20 anos para o sistema que ele desenvolveu tomar forma e evoluir para documentos comerciais padronizados e depois para mensagens eletrônicas como as conhecemos hoje.

EDI continua a ser uma tecnologia robusta e insubstituível que permanece no centro da maioria das indústrias. Quando o XML e o AS2 foram introduzidos pela primeira vez, pensou-se que eles substituiriam o EDI, pois eram mais simples e legíveis por humanos. Então vieram as APIs, e o mundo novamente pensou que as APIs substituiriam o EDI. Entretanto, não foi o caso. Hoje, espera-se que o mercado global de EDI cresça de US$ 1.98 bilhões em 2023 para US$ 4.52 bilhões em 2030. O EDI continua a ser vital para as empresas, oferecendo uma maneira confiável para os parceiros comerciais trocarem informações de forma rápida e eficiente.

Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

O que é EDI?

Electronic Data Interchange é a troca eletrônica de documentos comerciais entre uma empresa e seus parceiros comerciais usando formatos padronizados.

No passado, os documentos comerciais, como ordens de compra (PO) e faturas, eram normalmente impressos em papel. Eles não tinham um formato padronizado, o que significava que as empresas tinham que inserir informações manualmente em sistemas internos antes do processamento. No entanto, tudo isso mudou com a introdução e adoção de documentos digitais.

O Electronic Data Interchange converte documentos de negócios em formatos eletrônicos padronizados, geralmente usando padrões específicos como ANSI X12 ou UN/EDIFACT. Esses padrões definem a estrutura e o conteúdo dos documentos, permitindo que diferentes sistemas de computador e software entendam e processem as informações com precisão.

Embora pedidos de compra, faturas e avisos antecipados de envio sejam os documentos mais trocados via EDI, a gama de documentos suportados é vasta. Qualquer tipo de documento comercial agora pode ser facilmente trocado, incluindo conhecimento de embarque, informações alfandegárias, relatórios de estoque, atualizações de status de remessa e detalhes de pagamento.

Como funciona o processo EDI?

Para entender como funciona o processo EDI, vamos considerar um exemplo no setor de varejo, com foco específico na troca de ordens de compra, avisos de embarque antecipados e faturas entre um varejista e um fornecedor:

  1. Contrato e Configuração: Um varejista e um fornecedor estabelecem um relacionamento EDI e concordam em usar o ANSI X12, um padrão amplamente utilizado na América do Norte para transações digitais em vários setores.
  2. Mapeamento de documentos: O varejista e o fornecedor colaboram para mapear seus sistemas internos para o formato ANSI X12 para pedidos de compra e faturas. Eles identificam os segmentos, elementos e estruturas de dados específicos exigidos pelo padrão e os alinham com seus sistemas internos.
  3. Transformação de dados: Quando o varejista gera um pedido de compra em seu sistema de pedidos, o sistema transforma automaticamente os dados do pedido de compra em EDI 850 (Pedido de Compra) Formato ANSI X12 EDI. Usando a sintaxe e os códigos definidos, ele também organiza as informações em segmentos, como cabeçalho, itens de linha e totais.
  4. Caixa Velocidades: O sistema do varejista transmite o pedido de compra ANSI X12 ao fornecedor por meio de um método de comunicação seguro, como uma conexão AS2 pela Internet. O documento é criptografado e enviado eletronicamente, garantindo a segurança e integridade dos dados durante a transmissão.
  5. Processamento de dados: Uma vez validado o pedido de compra, o sistema do fornecedor processa o documento ANSI X12. Ele extrai informações relevantes, como códigos de produtos, quantidades, preços e detalhes de entrega.
  6. Reconhecimento e Resposta: Após processar o pedido de compra, o sistema do fornecedor gera um EDI 855 Reconhecimento de Pedido de Compra e o devolve ao lojista, confirmando o recebimento e aceitação do pedido de compra.
  7. Faturamento: No embarque da mercadoria, o sistema do fornecedor gera uma nota fiscal ANSI X12, também conhecida como Fatura EDI 810, com base no pedido de compra recebido. A fatura inclui detalhes como quantidades faturadas, preços, condições de pagamento e identificadores relevantes.
  8. Conciliação e Pagamento: O sistema do varejista recebe a fatura ANSI X12 e realiza a reconciliação com o pedido de compra original. Esse processo verifica a precisão da fatura e garante a consistência entre as quantidades solicitadas e faturadas. Concluída a reconciliação, o lojista procede ao pagamento com base nas condições acordadas.

Tipos de EDI

Existem vários tipos de EDI usado em diferentes contextos e indústrias. As empresas podem adotar um único tipo de transação ou uma combinação com base nos requisitos dos parceiros comerciais, capacidades técnicas, necessidades de segurança e padrões do setor.

  1. EDI direto: Também conhecido como EDI ponto a ponto, estabelece uma conexão direta entre os sistemas do remetente e do destinatário, permitindo a troca segura de documentos eletrônicos sem intermediários. Requer que ambas as partes tenham sistemas e protocolos de comunicação compatíveis.
  2. Rede de Valor Agregado (VAN): Uma rede de valor agregado (VAN) é um provedor de serviços terceirizado que atua como intermediário para transações EDI. As VANs recebem documentos EDI de um parceiro comercial, validam-nos e processam-nos e, em seguida, entregam-nos ao destinatário pretendido. As VANs oferecem transmissão segura de dados, tradução, rastreamento de documentos e serviços de roteamento de mensagens. Eles fornecem uma plataforma confiável e padronizada para trocas de EDI, especialmente quando os parceiros comerciais têm diferentes protocolos de comunicação ou requisitos técnicos.
  3. AS2 (Declaração de Aplicabilidade 2): AS2 é um protocolo de comunicação baseado na Internet que garante a troca segura e confiável de documentos EDI pela Internet usando criptografia e assinaturas digitais. O AS2 utiliza o protocolo HTTP ou HTTPS para comunicação, por isso é o método mais utilizado para transações EDI.
  4. AS4 (Declaração de Aplicabilidade 4): O AS4 é uma extensão do AS2 e fornece um padrão de mensagens aprimorado para trocas EDI. Ele adiciona recursos adicionais de segurança, suporte para serviços da Web e maior interoperabilidade entre diferentes sistemas. O AS4 é comumente usado nos setores de saúde e governo.
  5. WebEDI: Ele permite transações EDI por meio de portais ou plataformas baseadas na web. Os parceiros comerciais acessam uma interface web para trocar documentos sem a necessidade de software EDI. O Web EDI geralmente é adequado para empresas ou organizações menores que possuem baixos volumes de transações ou recursos de TI limitados. Simplifica o processo de integração e reduz os requisitos técnicos para participar do EDI.
  6. EDI móvel: Ele permite que os usuários executem tarefas relacionadas a EDI usando dispositivos móveis, como smartphones ou tablets. Ele fornece a flexibilidade para acessar e gerenciar transações EDI em movimento, facilitando a tomada de decisão rápida e a resposta aos processos de negócios.

Benefícios do EDI

  1. Maior Eficiência: Soluções EDI automatize a troca de documentos de negócios, eliminando processos manuais, como manuseio de documentos em papel, entrada de dados e redigitação de documentos. A automação reduz erros, agiliza as operações e acelera o processamento de transações, permitindo que as empresas lidem com um volume maior de transações com eficiência.
  2. Economia de Custos: O uso de um software EDI reduz os custos associados ao manuseio e processamento manual de documentos em papel. Elimina despesas relacionadas a impressão, papel, postagem e armazenamento de documentos. Além disso, ajuda a minimizar erros e custos associados, como erros de entrada de dados, discrepâncias em faturas e atrasos no processamento.
  3. Visibilidade e colaboração aprimoradas da cadeia de suprimentos: fornece maior visibilidade nas cadeias de suprimentos e, consequentemente, ajuda as empresas a otimizar o gerenciamento de estoque, planejar a produção e coordenar a logística com mais eficiência.
  4. Padronização e Conformidade: A tecnologia conta com formatos padronizados, como ANSI X12 ou UN/EDIFACT, que garantem consistência e interoperabilidade entre diferentes sistemas e organizações. Ele ajuda as empresas a cumprir os padrões, regulamentos e requisitos de parceiros comerciais específicos do setor.
  5. Relacionamento aprimorado com clientes e parceiros: Reduz erros e atrasos no processamento de pedidos e melhora os tempos de resposta. A velocidade, precisão e eficiência possibilitadas pelo EDI contribuem para um melhor relacionamento com clientes e parceiros.

O uso da tecnologia EDI em todas as indústrias

Distribuir

O setor varejista utiliza ED 850 para ordens de compra e 855 para confirmações de ordem de compra. A etapa de remessa envolve um fornecedor enviando um aviso de remessa antecipada (856) a um varejista com informações cruciais sobre o conteúdo da embalagem, tempo de remessa e muito mais. Em seguida, o processo de faturamento envolve a emissão de uma fatura EDI pelo fornecedor ( 810) para solicitar o pagamento dos produtos entregues. O varejista responde com aviso de remessa EDI (820) confirmação de pagamento ao fornecedor. Esses estágios garantem que cada etapa da cadeia de suprimentos seja bem integrada e facilite operações comerciais eficientes.

Assistência médica

O intercâmbio eletrônico de dados desempenha um papel crucial no setor de saúde pois facilita a troca segura e eficiente de informações entre prestadores de cuidados de saúde, seguradoras, farmácias e outras entidades. Ele permite que os prestadores de serviços de saúde enviem solicitações eletronicamente, resultando em reembolsos mais rápidos e taxas reduzidas de rejeição de solicitações. Alguns dos padrões comumente usados ​​no setor de saúde incluem ED 837, 835,  270/271,  278, etc.

Logística

Tornou-se imperativo para o indústria de logística ser compatível com EDI, pois permite a automação de tarefas como processamento de pedidos, rastreamento de remessas e faturamento. Ele permite visibilidade em tempo real dos níveis de estoque, status de remessa e cronogramas de entrega, permitindo melhor planejamento e tomada de decisões. Alguns dos padrões EDI comumente usados ​​incluem 310, 110 etc.

Implementação de EDI com Astera

Astera EDIConnect é uma solução de nível empresarial que permite Troca de dados B2B entre sistemas. A plataforma unificada e sem código permite que as empresas cubram perfeitamente toda a jornada, incluindo extração de origem, tradução, geração de confirmação, verificação e envio de dados ao seu destino. A interface de usuário intuitiva de arrastar e soltar permite que até mesmo usuários empresariais não técnicos lidem com a personalização de transações, segmentos, elementos e validações com facilidade. Isso também:

  • Oferece um visual que permite aos usuários criar transações EDI complexas e hierárquicas
  • Suporta uma ampla variedade de padrões, incluindo ANSI X12, HIPAA e EDIFACT
  • Verifica todos os arquivos em relação às regras de validação padrão e personalizadas definidas para um parceiro comercial
  • Processa com eficiência grandes volumes de arquivos, independentemente da complexidade
  • Automatiza fluxos de trabalho usando recursos de agendamento de tarefas

O Futuro do EDI

À medida que a tecnologia continua a avançar, ela evolui para atender às demandas de um cenário digital em rápida mudança. Um aspecto fundamental do futuro do EDI reside na sua integração com tecnologias emergentes, como inteligência artificial (IA), aprendizado de máquina (ML) e blockchain. Com IA e ML, os sistemas EDI podem se tornar mais inteligentes e automatizados, permitindo mapeamento inteligente de dados, detecção de erros e análise preditiva.

Até agora, o EDI tem sido tradicionalmente associado à troca de documentos comerciais, como ordens de compra, faturas e avisos de remessa. Seu escopo está se expandindo para incluir outras formas de troca de dados, incluindo a integração com dispositivos da Internet das Coisas (IoT).

Ao incorporar os dados da IoT nos processos de EDI, as empresas poderão obter visibilidade em tempo real de suas cadeias de suprimentos, monitorar os níveis de estoque e otimizar as operações de produção e logística.